+55 (11) 2564.7471
IATF 16949 Introdução - Q-MAX DO BRASIL - Auditoria, Assessoria e Capacitação

IATF 16949 Introdução

Gisberto Werninghaus  |   |  sábado, 29 de abril de 2017

1.1 Escopo - suplemento automotivo para a ISO 9001:2015

Esta Norna de SGQ Automotiva define os requisitos de sistema de gestão da qualidade para o projeto e desenvolvimento, produção e, quando relevante montagem, instalação e serviços de produtos autornotivos relacionactos, incluindo produtos com software embarcado.

Esta Norma de SGQ Automoliva é aplicável aos sitema da organização onde são manufaturadas peças de produção especificadas pelo cliente, as peças para serviços e/ou acessórios.

Esta Nonna de SGQ Automotiva deveria ser aplicada ao longo do toda a rede de fornecimento automotivo.

   2.1 Referência normativa e informativa

O Anexo A (Plano do Controle) é uma parte normativa da IATF 16949

O Anexo B (Bibliografia -  suplementot automotivo) é informativo, que ajudad a compreensão ou a utilização da IATF 16949.

     3.Termos e definições para industria automotiva:

ISO 9000, 9001, 9002, VDA-QMC

peça acessória

componentes  adicionais  especificados  pelo  cliente  que  são  tanto  mecânicamente ou eletrônicamente conectados ao veículo ou ao powertrain antes {ou depois) da entre entrega ao cliente final (por exemplo. tapetes personalizados, lonas de caminhão. calotas. melhorias no sistema de som, teto solar, spoilers, compressores (super-chargers), etc.

planejamento  avançado da  qualidade do produto (APQP)

processo de planejamento da qualidade do produto que suporta o desenvolvimento de um produto ou serviço que irá satisfazer os requisitos do cliente; o APQP serve como um guia no prooosso de desenvolvimento e também, uma foma padrão para oompartilhar resultados entre as organizações e seus clientes; o APQP cobre a robustez do projeto, os testes do projeto e a conformidade da especificação, o projeto do processo e a capacidade de produção , a embalagem do produto, o teste  do produto e o plano de treinamento do operador, entre outros ítens.

peça para aftcrmarket

peças para reposição não adquriidas ou liberadas por um OEM para aplicações em peças para serviço. que podem ou não ser com as especificações do equipamento original

autorização

permissão  documentada  para  uma  pessoa.  especfficando  os  direitos  e responsabilidades a dar ou negar permissões ou snações dentro de uma organização.

peça padrão {mestre)

peças de especificação conhecidas, calibradas e rastreáveis a padrões, com os resultados esperados (aprovado ou reprovado) que são usados para validar a funcionabilidade de um dispositivo à prova de erros ou um dispositivo de verificação (por exemplo dispositivo passa não passa)

plano de controle

descrição documentada dos sistemas e processos requeridos para controlar a manufatura do produto (ver Anexo A)

requitos do cliente

todos os requisitos especificados pelo cliente (por  exemplo:  requisitos  técnicos, comerciais de produto e de processo de manfatura. termos e condições gerais, requisitos especficos do ciiente etc.)

requisitos especificos do cliente (CSRs)

interpretações ou requisitos suplementares ligados a uma cláusula específica da IATF 16949 do SGO Automotiva.

projeto para montagem (DFA)

prooesso pelo qual os produtos são projetados com considerações para    facilidade de montagem (por exemplo, se um produto contém menos peças levará menos  tempo pata montar, reduzindo assim os custos de montagem)

projeto para manufautura (DFM)

integração do planejamento do projeto do produto e do processo para projetor um produto que seja facilmente e economicamente manufaturado.

projeto para manufatura e montagem (DFMA)

combinação de duas metodologias: Projeto paro Manufatura (OFM), que é o processo de otimizar o projeto para ser mais fácil de produzir, ter maior rendimento e qualidade melhorada e Projeto para Montagem (DFA), que é a otimzação do projeto para reduzir o risco de erro, reduzindo os custos e tomando-o mais fácil de montar.

projeto para manufatura six sigm(DFSS)

metodologia sistemática, ferramentas é técnicas com o objetivo de ter um projeto robusto de produtos ou processos que atendam as expectativas do cliente e possam ser produzidos com um nivel de qualidade six sigma.

organização responsável pelo projeto

organização com autoridade para estabelecer uma nova especificação de produto ou mudar um existente

NOTA       Esta responsabilidade inclui testes e verificação de desempenho do projeto na aplicação especificada pelo cliente.

prova de erro

projeto e desenvolvimento do produto e processo de manufatura para prevenir a manufatura de produtos não conformes.

processo de escalonamento

processo utilizado para realçar ou sinalizar determinadas questões dentro de uma organização para que o pessoal apropriado possa responder a estas situações e monitoror as resoluções.

análise da árvore de falhas (FTA}

metodologia dedutiva de análise de falha em que um estado indesejado de um sistema é analisado; a análise da árvore de falhas mapeia a relação entre falhas, subsistemas e elementos de projeto redundantes através da criação de um diagrama lógico de todo o sistema.

labo ra tó rio

instaU.1ç.':lo par.:i inspoção, toote ou calibração que pode incluir, mas não se lfmitar ao seguinte: quimk:o,metalúrgico. dimensiono!. tisico.elétrico. ou teste de ooofiobitidade

escopo do la boratório

ck>cumento oontrolado contendo

testescspecfficos. ava1Eõlç6cs e C3libtaçõcs que um taboratóno é qualificado para exéetJtar;

  • uma tis.ta dos equipamenlos queo l.aboratôriousa pa:ra executar o ocima; e uma lista de métodose nonnos PD

    acabamento

    viabilidadede manufatura

    uma anâlise e avaliação de um projeto proposto para dotctminat so ele tocniClmonte viável de se m.:inufatuíar o produtopara atender os requisitos do cliente. Istoinoh.1.i mas  não  se  li mita  ao  seguinte (como aplicável): estar dentro dos custos ostimacsos, o se os,    ccursos  nCOC""•,•sfüios, s instalações, o

    fcrramcnttli, a cal)Dcid3dc. o software e o pessoal com as habilidades requerida,s incluindo as funções de suporte, estãodiSponiveiS oo éstão planejados paracslD.fcm disponíveis.

    serviços de m.:tnufatura

    cmpccsas que testom. m3nof3turam, distnõuem e proveem Sérviços dê reparo p.:ira componentes e montagens

    abordagemmultidisciplinar

    mêtôdo paro captutar a entrada de todas as partes interessad s que  podem inftuenciarna maneira como um processo é administrado por uma equipe CU)OS membrosincluem pcssool dti 0

    ,neluit Ctltr d3S d3 0

    nenhum problema encontrado {NTF}

    dasignaÇilo aphcadti a uma peça substitukla dur3nte um evento de serviço que, quando analisada pelo fabricante do  veiculo ou  da  peça, atende a  todos os  requisitos dé uma ·peça boa8         (ta.mbêm re ferida  como"NenhumaFalha Encontrada" ou ·P,oblcm.lNãoEnoontr.'ldo")

    processo terceiriz.ado

    parteda função de uma organiZaÇão (ou ptocossos) que ê tC3fiZDdo por uma organiz;:,ção extema

        13

    revisãopctiódica

    motOdologia de manutenção parti pmanutenção preditiva

    uma abordagem e um conjunto ôe técnicas JX}tél avariar a condição dos equipamentos cm serviço através darealizaçãoperiódica ou continuo monitorrunentodas ooodições do equipamento,.:i fim dê prevêf quanôoa  manutenção deveriélser malrzada

    fretee.speci;:il

    Q.JStos adicionais ou encargos incorriclos adiciooolmento.:iosdaentrega contratada

NOTA    Isso pode s r causado pelo método. qu.:intidade, entregas não progro.madas ou atmsacJa.s, etc ,

manutenção preventiva

.)tividodes planejadas a inlef'Jalos regulares (baseados am tempo, inspeç.ãoperiôdica. e tcvisão) para eliminar as causas de falha do equipamento e interrupções nao programadas de produção. como uma saída do projetodoprocessodemanufaturd

produto

aplica-se a qualquer saída prctcncHda, resuttanle do processo de realização do produto

segurança doproduto

normos relati s ao projeto e manufatum de produtos para assegurar que efes não representem danos ou risoos ra   os dicntes

parada (shutdown)da produção

OOtldição ondeos ptOCessos demnnufatura ostão inativos; o intel'V31ode tempo pOdc ser dê algumas horasa o.lguns meses

plano dereação

ação ou uma série de passos prescritos em um plano decontrole. no caso m quê événtos anormais ou não conf0

local remoto

locoi1zoç5oque suportaos sitesde manufaluta e ondéocorremos prooes$0$ não produtivos

peças para serviço

peças de reposição. manuf.aluradascom 8$ especificações do OEM que são dquiridos ou libemdas

peloOEMpara aplicaçõesdepeç:os paro serviço. incturfldopcçé)S remanufaturadas

site

loe3l              o em que ocorrem os processos de m nufaturaque agregam valor

C.)racterístieasespeciais

classificaçãode uma caracteristica de produto ou pruâmelfo de processo de manufatura quê pôde

afetar a segurança ou a conformidadé com os rêgulamenfos,.aíUste. funçã,o ou prooessamento subseQoente do produto

sito.ação es.pccial

desempenho, requisitos

notifica ção de uma classificação identificada pc:to cliente attibuida a uma organização onde um ou mais mquisitos do clEOfe não eslão sendo satisfeitos devido a umproblema signific3tivo de qoo.fidactc ou en trega

fu nção de suporte

atividadenão produtiva (conduzida no site ou cm um Joc3i remoto) quesuporta um (oumais) sitésdê manufatura da mesmaorgan ação

manutenção  produtiva total

um SiSlémapara manter e melhor,.u a integridade õos sistemas de produção e qualidade atravós de máquinas. equipamentos. processose funcionátios quê agreguem valor à organização

cul'Vasde corre-lação(trade·off curves)

f.,;,rra méntapara entender e  comunicar    rcbçtio entm v-drias caracteristicasde  projeto de um

produto: o desempenha doproduto emuma carxteristica emaP4U1do no eixo y e o outro no eixo x.

entãouma Q.Jrv3é plo1ad-a paro ilustraro cktSempenho do produto emrelaçãoas dUé.lScatactc:,risticas

processo de correlação (trade-off process)

metodologia de dcscnvotvimentoe uso de corvas de correlação (trodc-off) para os produtos e suas caracteristicas de desempenho

Q-MAX DO BRASIL
+55 (11) 2564-7471
Criação:
Desenvolvimento:
© 2015 Q-MAX DO BRASIL. All Rights Reserved.